A foto, as lembranças e a vida - parte dois (final) | Blog do Joanir

A foto, as lembranças e a vida - parte dois (final)

segunda-feira, 17 de novembro de 2014
Talvez a vida de Romildo tenha sido toda uma grande ilha. Uma ilha perdida em que ele estava perdido. Talvez tenha sido tudo uma grande mentira e não só ele o único mentiroso. Mas ninguém tivera mentido consciente, todos se enganavam acreditando na verdade.

Imagem: http://www1.folha.uol.com.br
Após ver todos os quadros, ele teve a chance de recomeçar, mas agora sabendo de tudo. Mas do que adiantava viver de novo uma mentira? Romildo não queria mais voltar pra vida, preferiu viver na sua morte.

A moça se despediu dele no velório, teria mais alguns anos de vida, mas um dia, ela também morreria e poderia encontrá-lo ali, naquela sala, onde juntos veriam um filme de vida dela. Seus sonhos seriam todos revelados e no final, ela também chegaria a mesma conclusão que ele chegou.

A vida não é muito mais do que isso aqui. O sentido dela está cada vez mais obscuro. É viajar? Ver séries? É se ver na ficção e brigar por ela, como, se de alguma forma, ela represente você? É estar sentado atrás de um computador esperando o ano todo uma mensagem?  Esta mensagem não chegará. Nunca chegou para Romildo, e Romildo, aqui, é apenas o nosso personagem principal. A vida dele só teve importância para nós porque a tornamos num conto. O faz de conta. Talvez você se  identifique com ele. Mas é só isso? Voltaremos às indagações primárias deste parágrafo?

O homem sempre buscou inventar uma máquina que o fizesse viajar no tempo. Não porque gostaria de ver o futuro, mas porque quer fazer o passado voltar. Esquece que o presente será o passado de outro presente. O passado desejado existiu e parte dele pode ser acessado pelas memórias, mas elas são fragmentadas. O ponto de referência está manchado porque aquele presente não foi vivido corretamente.

Romildo esperou na morte a sua vida passar.

Adblock Detectado

Percebemos que seu AdBlock está bloqueando propagandas no nosso blog.

Desative-o, por favor, também não gostamos de janelas abrindo aleatoriamente, então não temos dessas aqui.

Muito obrigado!